Dedicado a Ana, Camila, Carolina, Thalita, e Emilson.
Foi enviado a mim, como fui enviado a vocês.

Pai

(Víctor Lemes)

Podes sentir o impulso, Deus?
Todos os entes queridos,
Todos os anéis nos dedos, Pai,
Todos são Teus.

O que és impossível quando Tu dá-nos
Teu maior impulso?
A vingança nos aflige hoje, Pai,
A maldade nos ameaça durante o dia todo.

Pela manhã, rasguei meu passado, Pai.
Joguei todo ele fora, pois só meu Presente é que vale
Agora; não pretendo mais ser museu.

Sei que um dia ficarei velho,
Porém nunca sozinho, pois Ela estará comigo;
Enquanto o vento soprar, ali ela estará comigo;
Mais uma vez, ambos, o Senhor e ela, darão Teus impulsos.

Vou estar lá, na varanda da minha casa,
Na fazenda que ambos construímos,
Esperando a minha hora:
A hora de partir, e ir embora.

No meu coração, esta noite, guardo muitas lembranças.
Um Amor de Gaveta,
Um Fogo acolhedor de poucas palavras,
Um pai de Espírito,
Uma melhor amiga cuja camiseta preta foi a mim dada;

Tantos outros pequenos personagens principais,
Em minha história neste Plano Maravilhoso.

Amo-me tanto,
Que assim, Amo-a tanto,
E aí, Amo-os todos,
Pois, Todos O São.

Posso voltar a dirigir-te palavras para sempre
Como nunca antes o fiz:
Chamando-O de Pai.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário