Tudo que começa, um dia, acaba


(Víctor Lemes)


E, quando abri os olhos, cercado
Por aquela luz branca estava
Levantei o rosto e os braços ao vazio,
Senti a luz que se aproximara.


Senti-me abraçado por um gigante
Envolto em seus braços leves
Acariciou minha cabeça já sem cabelos
Sussurou "ômega é o princípio" em meus ouvidos.


Diante de tamanha figura e palavra
De meus olhos brotaram a luz como do Sol,
E como quando acendemos uma lanterna
Enxerguei tudo: o fim, e o recomeço.


Quando voltei em mim,
Percebi a quem abraçado estava
Era um gigante velho, longos cabelos,
Só esboçava um largo sorriso sem-fim.


Disse que nos veríamos de novo
Quando assim o quisesse,
Lágrimas nos olhos despediu-se
Não mais voltaria a vê-lo...

Quando dei por mim, estava ali
Bem no meio do quintal,
Rodeado de escuridão da madrugada,
E sendo observado por eles... sorri.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário