Tropeço

(Víctor Lemes) 


O caminho caminhava no menino,
que mal cabia nos próprios chinelos,
sem devaneios e sem medos.

Chutava pedra, pisava em folha seca
no chão de marfim, onde, quase sempre,
se via rodeado por um mar sem fim.

Hora vinha e batia na janela,
Só assim ele sabia do tempo que passava,
Já que o menino não podia vê-la.

E ali, bem ali na esquina,
Ele descia correndo as escadas
Só pra ver de perto a fila de formigas.

E assim passavam os dias, até
Que o menino um dia se levantara,
E dava os primeiros nós em seu pé.

Outro dia mesmo,
Tropeçava nos próprios laços
Que fez há anos...

Hoje, se vê um homem,
Mesmo que torto, mesmo que triste,
Alegre o coração por dentro.

O menino criara asas,
Voara tão perto quão longe,
E ainda dá pra vê-lo em frente ao espelho.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário