Abraço

(Víctor Lemes)


Um abraço que seja,
Que sejam dois ou seis,
Apenas me dê um sequer,
E me sinta, seu corpo junto ao meu.

Deixa-me perder-te em meus braços,
Deixa o prazer dos hormônios soltos.
Em braços, que juntos fiquemos
Como se fôssemos perfeitos.

Abra esses braços,
De peito aberto me receba
E aceite-me, como aceita o vento.

De braços soltos, me aguarde,
Me embrulhe feito presente e
Me deixe abraçado nesse embaraço.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

1 comentários:

  1. O abraço é o consolo da alma, quando sinto saudades até abraçar meu travesseiro me conforta. Abraçar gente então?! Nossa, é maravilhoso, torna-se o encontro de duas almas.
    Linda poesia!
    Bjs
    Mila Lopes

    ResponderExcluir