Sem título 12


(Víctor Lemes)

Tenho andado com a cabeça baixa
A olhar os fios de água da chuva
Que correm por entre as rachaduras
De uma terra supostamente firme.
Minha cabeça gira, feito pião,
Dá pra ouvi-la bem alto.
Minha cabeça grita,
Diante tanta hipocrisia
Daqueles que estão perto.
Minha garganta é capaz de deixar passar
O riso tolo sobre coisas tolas,
Mas nunca deixa o grito de agonia passar,
Seja estridente, seja silencioso.
Começo a entender agora o que outros
Tem nos deixado aqui pra entender,
Se eu fosse contar nos dedos
Quantos são os verdadeiros,
Ergueria os olhos pro infinito
E lhe perguntaria:
Pra quê tantos dedos?

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário