Dá-nos a Paz


(Víctor Lemes)

A secura dos meus lábios,
As pétalas de rosas negras
Igualmente secas
Caem dum céu sem tons.

As ruas infestadas de baratas,
Tontas e mortas, vagam pelo breu.
Sem saber quão longe estão,
Vão se arrastando pelo chão.

Migalha, fiasco, mágoa, lágrima.
Tudo é uma coisa só,
Quando o dia das contas chega,
E o que resta vira pó.

E enquanto todos tremem
Diante de um possível julgamento,
Os anjos dormem.
Estão a sonhar conosco.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário