Sem título 14

Enquanto o caos segue em frente com toda a calma do mundo.
- Renato Russo


(Víctor Lemes)

Vejo as linhas de minha mão
Quando só há escuridão,
Os caminhos tão traçados,
Pontes quebradas por vidros quebrados.


Olho o teto hoje, frustrado.
E de repente acordo
De um sonho distante,
Onde o meu mundo é coberto
Por um lençol iluminado,
Bordado com estrelas de inverno,
E seu movimento é constante.
Havia flores na janela hoje cedo,
E meu coração entardeceu-se,
E o eu que tenho aqui dentro,
Aquele que é tal qual morcego,
Quando a noite chegara
Já havia despertado.
Está sereno, calmo,
Repousa seus braços em meus ombros,
Me beija o topo da cabeça,
E me abraça sem ter braços.
Mas posso senti-los ao redor de mim.
Só não sei se é um querubim,
Ou um serafim.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário