A resposta

Se um dia chegar a ler estes versos, tome-os como um presente meu, neste dia nunca esquecido.


(Víctor Lemes)

Chego em casa cansado,
Mas com um sorriso estampado.
O vejo descansando a cabeça sobre o braço,
Naquelas mesas de plástico.
Ofereço um abraço,
Mas nem me vê direito.
Está a esconder as lágrimas no rosto.
Com dois dedos cutuco um só ombro,
A fim de fazer-lhe levantar num susto.
Mas a dor que vem lá de dentro
É profunda, gera medo.
Puxo outra cadeira, sento-me perto,
Sussurro algo,
A resposta aguardo.
Sem sucesso.

Ele não está lá mais.
Não é como era antigamente,
Um olhar forte,
Um semblante de paz.
Era feliz, era da família,
Em casa almoçava, jantava, e dormia.
Quantas noites de papo pro ar ficamos,
Cada um em seu colchão no chão,
A olhar pro teto, relembrando momentos.
Naqueles dias de jogos, de filmes, de cantoria,
Havia descoberto
Que, embora fosse filho único,
Havia encontrado, em outro,
Um alguém para ser irmão.

Hoje, aqui na mesa, estou assim
Frustrado...
Não sei o que aconteceu de ruim
Pra ele ter mudado...
Meu coração sente aquela saudade
De um irmão distante...
Meu corpo estático está ainda
Esperando-o no portão...

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário