Suas iniciais são iguais


(Víctor Lemes)


Estava eu sentado num dos galhos mais altos.
Quando uma menina sentou-se próximo à árvore.
Encostou suas costas no tronco áspero, e abriu um livro.

Curioso que sou, fui descendo galho a galho,
Sem chamar muita atenção.

Cheguei bem próximo à bela menina,
De cabelos na altura dos ombros,
Olhar forte, concentrada em sua leitura.

Me inclinei um pouco mais, e assim,
Pude ler uma parcela de uma linha,
Que então dizia:

"Vivo de coincidências,
Vivo de linhas que incidem uma na outra
E se cruzam"...

Não pude ler o resto,
Pois a garota percebera minha presença,
E num movimento rápido ergueu sua cabeça!

Assustei-me, dei um pulo pra trás.
Chacoalhei uma porção de galhos,
E folhas pousaram em seus lindos cabelos.

Ela sorriu, encantada.
Ergueu o livro em minha direção,
E leu em voz alta, como se quisesse que eu a ouvisse:

"Mas tenho um milagre, sim.
O milagre das folhas. Estou andando pela rua
E do vento me cai uma folha exatamente nos cabelos"!

Quão lindo pode ser o sorriso dela.
Me enchi os pulmões, relembrei de alguns versos,
E me apresentei:

"Estou vivo mas não tenho corpo.
Por isso é que não tenho forma,
Quando sou forte me chamo vento."

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

2 comentários:

  1. Nossa!Que lindo!Que cena linda! *-*
    Isso ocorreu mesmo?
    Fico aqui imaginando, como deve ser encontros assim. '-'

    ResponderExcluir
  2. :)

    Foi apenas fruto da minha imaginação... *-*

    ResponderExcluir