Soneto a seu moço

(Víctor Lemes)


Com licença, seu moço...
Devo aqui soltar o verbo,
Já não me aguento mais,
Só assim me sentirei em paz...

Aconteceu no almoço,
Pois me lembrara dela,
E da, então, anterior conversa,
Cujo "eu te amo" não falei.

Desculpe-me, seu moço.
Sou assim mesmo, um desajeitado
Sem rumo aparente...

Me remoendo até o osso,
O remorso do "eu te amo" não falado.
Finjo sentir-me gente...

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário