O importuno

(Víctor Lemes)


Hoje,
Já me recomendam:
- Não escrevas mais à ela.
Mas, eu digo:
- Sou o poeta-importuno;
O que escrevo é o que sinto,
Privar-me de minhas palavras
É censurar-me os sentimentos.
Por favor, não me julgues mal;
Aliás, nem me julgues.
Os mundos diferentes
Que habitam este outro mundo
Têm a tendência a querer possuir
Os outros.
Tudo é como pássaros para eles,
Nos capturam, e nos guardam,
Pois, sabem que em espaço
Curto feito gaiolas de celas de ferro,
Nossas asas se atrofiam...
Não deixes que tuas asas
Se atrofiem também, meu bem.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário