Dardo de Deus


(Víctor Lemes)

O que pensas de mim, tu
que não te afogas
nas fortes correntezas
de vácuo que percorrem
meu quarto?

O que há de tanto neste quarto,
Que enche e preenche os cantos secos
Todos, feito água que morre pelas arestas,
Ou como um tolo a escrever sem sono?

A incógnita de ser feliz com pouco,
De não sentir o que se sente sem as mãos,
Ao lançar o dardo e errar o alvo Deus sorriu,
Ao suspirar disse-me: "Olha só, não é que caiu?"

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário