Miopia cardíaca


(Víctor Lemes)


Pra te ser sincero, nunca pedi tão pouco na minha vida.
Eu que sempre quis que as coisas fossem X e não Y.
Hoje, me deparo com uma enorme lição:
É preciso abrir os olhos, e enxergar sem meus óculos.

Deixa-me ser apenas humano ignorante e mortal
Por esta noite, Pai, só por hoje.

Deixa-me embrutecer-me comigo mesmo,
Deixa-me explodir meus prédios interiores.
Deixa eu me acabar por completo, para que assim,
(Quem sabe assim!) alguém ame o que há em mim.

Sou um corpo sedento,
Suado por não ter chorado.
Sou um corpo faminto,
Seco por não ter, por você, me enchido.

"Pecado é provocar desejo e depois renunciar."
Renato Russo um dia sentiu.

Ao mesmo tempo que meu lado caído
Me diz:
"Continue escrevendo,
Continue mentindo, minta, minta!"

Meu outro anjo debruçado em meu ombro
Me diz:
"Pare enquanto é tempo,
Não continue pensando, sinta, sinta!"

E eu, no meio dessa implosão,
Sinto meu coração bater em desespero
Por não ter sido ainda encontrado.

E eu, por fora dessa confusão,
Agradeço ao Absoluto a oportunidade
Pois, só passando é que se aprende.

E eu, cercado a tanta preocupação,
Frustração e medo, ainda teimo...
Ainda teimo em amar-te!

Me deixa só por uns tempos,
Me deixa sozinho comigo mesmo.
Já foi assim por tanto tempo,
Que diferença faz um dia a mais ou a menos?

Quebrei minha promessa, eu sei, Pai.
Escrevi mais uma vez
Sobre meus lapsos de Vazio.

Mas é só por hoje, Pai...
Só esta noite quero sossego
Das coisas que diz respeito
Ao teu sinônimo com maiúscula.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário