Frágil

(Víctor Lemes)

Houve um dia em que eu me abandonei em seu coração.
E me afastei de mim para buscar-te, Amor.
E, naquele dia, eu pensei comigo mesmo:
Este deve ser o caminho certo.

E tropecei tantas vezes,
E quase desisti de tentar tantas outras.
Mas você era toda a minha meta,
E todas as minhas setas apontavam pra sua direção.

Me perdi em meio a tanta vaidade, e tanto orgulho.
Meu ego vivia nas alturas ao pronunciar-te duas palavras,
E quando podia perceber seu sorriso d'outro lado da tela reluzente de pixels coloridos.

Derramei muitas lágrimas debaixo de edredons,
Virei muitas páginas de rascunho.
Selei muitos envelopes,
Projetei em você tudo que ainda não chegou a ser... ainda não.

E errei mais outra vez, e dessa vez pior,
Pois conscientemente esperei de você o que nem você sabia o que era.
Criei uma mínima expectativa, ínfima e poderosa,
Pensei que pudesse querer ser melhor que você mesma.

Os jovens tendem a olhar muito para os lados,
É assim mesmo, é difícil focá-los em nós mesmos.
É assim mesmo, eu nunca mudo quando alguém amo,
Inimigo de mim mesmo, sempre o mesmo engano.

Ignore tudo isso,
Nada é verdadeiro.
Sou poeta e pra mim é fácil
Escrever sobre o que parece frágil.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

1 comentários: