Agradecimentos Sinceros (como sempre)


Noite passada foi um dia histórico em minha vida, e em muitas outras. Mas, para mim, significou muito mais que apenas outra noite. Essa é minha carta aberta de retribuição a todos aqueles que de fato fizeram da minha vida a felicidade que é hoje. E dessa vez vai assim, sem rascunho, porque o que vai "descer" em mim são as palavras do meu coração. Não sei nem por onde começo, há tantas pessoas a agradecer...

Em 2010, dia 14 de outubro, escrevi um poema que se tornou realidade ontem, ou que pelo menos fez-me crer nessa realidade apenas ontem. Era assim:

"Ah, Pai!


Renato Russo tinha 23 anos
Quando lançou seu primeiro álbum de sucesso nacional.
Ayrton Senna tinha 24 anos
Quando ingressou na categoria de mais prestígio mundial.
Eu tenho 21 anos,
E me pergunto se conseguirei ser tão especial
Quanto qualquer outro ídolo meu.

Ah, Pai!
Eu sei que fazes tudo se acertar com o tempo,
Mas tem esses dias de frustração, e
De mágoas aqui dentro...
Por que carrego tanta insegurança e tanto medo,

Quando sou filho de um anjo, filho do vento?"

Deus me ouviu naquela noite, porque havia pedido uma resposta de coração. E, ultimamente, meus queridos companheiros de viagem, tenho pensado que meu papel aqui também seja de trazê-los Esperança na luz que habita em cada um de nós... Muitas mudanças têm ocorrido em minha vida, e não foram por acaso, não... Eu consigo me lembrar de todas as súplicas e pedidos aos Céus para que algo acontecesse, para que eu pudesse ser quem eu queria ser...

Por Deus! Quantas vezes, quando menino, pedia para ser alguém... "Cansei de ser ninguém!" dizia para mim mesmo... "Quero ser alguém." Isso levou um tempo, pois o Pai resolve as coisas devagar... Lembro-me como se fosse ontem, o dia em que estive a ponto de desistir do meu trabalho como coordenador pedagógico, pois eu não me achava à altura do cargo. Meu chefe, e hoje amigo, me olhou nos olhos e me fez crer que eu tinha a chance de ser diferente. Não importasse a minha idade, minha inexperiência. Eu era capaz de ser uma melhor pessoa. Eu podia enfrentar os medos que havia fugido por tanto tempo... o grande medo de ser a si mesmo!

"Vai enfrentar o seu medo?"

Naquele instante, como que um filme, me passou a lembrança na minha cabeça e duas pessoas se fixaram em especial na minha mente... a figura do maior anjo que há nessa terra, que se intitula o próprio Vento... minha eterna mãe! E minha avó, mãe de minha mãe, que havia apostado e acreditado em mim desde sempre... Se eu abandonasse o emprego naquele momento, eu não estaria magoando a mim mesmo, eu estaria magoando-as comigo. E se elas acreditavam que eu era capaz, por que não tentar? O Pai me mandou um anjo para me criar, que nunca mente, assim como o Mestre nunca o fez...

"Vou...!"

"Não ouvi. Vai enfrentar seu medo?"

"VOU!"

"Que bom! Fico feliz por você."

Dali em diante, eu fui um Víctor diferente. Eu enfrentei a mim mesmo, todos os dias, e quantos foram os dias que quase cai na armadilha da mente... mas minha mãe estava lá para me dar apoio como sempre, para acreditar em mim. Quantas vezes não assisti as corridas difíceis de Senna, e suas entrevistas, tomando-o como exemplo máximo de superação. Hoje sou um outro Víctor. Sou mais forte, apesar de ser como uma manteiga e chorar facilmente, como agora faço.

Nossa escola recebeu cinco prêmios destaque da rede CNA, ontem a noite. Nós fazemos parte das dezessete melhores escolas do país, dentre as quase seiscentas de todo território nacional. Me orgulho de falar isso, pois, pelo menos de minha parte, amo o que faço. E nunca fiz nenhum dos projetos que foram premiados, pensando que seriam, de fato, os premiados... Fiz porque foi uma coisa que dava gosto fazer; dizem que o coordenador é o coração de uma escola... pulso de alegria, pois minha equipe de amigos professores são o máximo! Cada um com suas histórias, seus jeitos... Estranha-me pensar que deles sou líder, pois sou responsável por todos. E, algumas vezes, preocupo-me achando que esperam mais de mim...



Não poderia deixar de agradecer a uma pessoa, que entristece-me agora um pouco,  que eu gostaria de abraçar e poder agradecer humildemente, toda a força e todo o conhecimento da língua inglesa me passou. Se não fosse ela, com certeza, eu não estaria fazendo o que faço hoje, tão bem quanto me falam, e além do mais, não teria nem ao menos passados dos milhões de testes de professor e coordenador do CNA. Minha saudosa professora da Fisk, Cristina Baird Robertoni, que chegou a falecer em março deste ano... Não deu tempo, Cris! Como eu queria que você me visse hoje! Como eu queria ter te dado um abraço... Carrego um pouco das suas aulas nas minhas... dou um pouco de você aos meus alunos...


Contudo, o maior presente até hoje, foi numa tarde como outra qualquer:

"Você é uma benção em minha vida. Agradeço por ter te conhecido."

Este texto, sentimental e cafona para os que não ouvem o coração, foi dedicado à Ana Cristhina, minha amada mãe, que aguentou muita coisa para que eu chegasse até aqui; Janete, minha avó mineira, pois sem ela não teria toda essa história; Emílson, meu amigo mais ansioso; Cristina Baird, meu maior exemplo de profissional; Ellen, amiga e profissional que eu tanto gostaria de ser como tal, um dia; Patricia, que gosta de me apressar para ir embora, mas que me considera como um irmão de espírito; Ana Luiza, que esquece de desligar o ar-condicionado ao sair da aula, que eu quero ter essas ideias de brincadeiras que ela tem; Davi, que apesar de um pouco enrolado com as programações, é um ótimo professor em potencial; Carlos, talvez o único argentino que eu chegue a considerar como amigo, com seu jeito racional e lógico que me surpreende...

Por último, ao Pai que habita a Ilha Eterna das Luzes... Não sei o que esse Velho irônico guarda ainda pra mim, mas de certo será o que um dia cheguei a pedir...

A todos, meus sinceros sentimentos,

Mr. Lemes.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

1 comentários:

  1. Não tive a oportunidade de fazer um comentário, mas sempre há tempo, já que este não existe, nós o fazemos. Fico muito feliz com a alegria e emoção que escreveu este texto. Agradeço a menção de minha pessoa. Agradeço muito pelo flash-back do início de sua carreira na escola. Fico imensamente contente em saber que algumas palavras puderam lhe fazer tão bem. O negócio sempre foi acreditar...quando acreditamos, não nos outros, mas em nós mesmos, fazemos muito por nós e por todo este Universo. A gente vai aprendendo, ora com um que passa por nossa vida, não por acaso, mas porque os convidamos...E que convites sempre estejam abertos para pessoas que fazem somar em nossas vidas!. Parabéns ao novo Victor...e parabéns ao "velho" Victor que também se preparou para este presente!. De seu amigo mais ansioso, Emilson.

    ResponderExcluir