Feliz aquelas

(Víctor Lemes)

Feliz aquela que sabe receber
E sentir, pelo poeta
Os tantos versos a quem
Ele, agora, a dedica.

Meus melhores sentimentos
Eu soube traduzi-los muito bem
Todas as vezes que me propus
A sentar frente à esta tela
Para traduzir meu coração.

Minhas melhores rimas
Foram por aqueles amores
Que criei dentro de mim
E talvez nunca existiram
Em realidade.

Feliz aqueles amores
Que souberam que as dedicava
Minhas rimas e batidas cardíacas,
Cada noite ou madrugada
Que me pegava a escrever
As mais lindas poesias.

Minhas mais belas poesias
Foram escritas com dedicatórias
Nas entrelinhas. Se meus amores,
Hoje eu tenho certeza, não captaram
As mensagens que lhes enviava
Alguém nesse imenso Universo
As recebeu.

E por isso, apenas, já me sinto
Satisfeito. Antes, assumo:
Ficava chateado e um tanto frustrado;
Mas, se minhas palavras atingiram
Alguém, e este alguém as recebeu
E as sentiu, dou-me por feliz o suficiente.

O mundo precisa de Amor,
E minhas poesias que mais
Conseguem o exprimir são aquelas
Mesmas cujos amores ou
Os inventei, ou são impossíveis
Não por natureza, mas por convenções.

Então, que seja esse meu papel,
Que então eu eternize meu Eu
Dado aqueles amores...
Que alguém saiba os receber,
E deles faça bom proveito.

Aos meus amores,
Meus sinceros agradecimentos.

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário