Parapoesia

(Víctor Lemes)

Vivo num paradoxo constante,
Sou um paraplégico para as coisas deste mundo
Que consiste em sistema de paradigmas
Que apenas servem para nos parar, de fato...
Estou numa luta constante,
Quanto mais sei, mais do mundo
Me torno distante.
Dizia um provérbio antigo
Proferido pela boca do meu Mestre
Que dizia: "quanto mais sábio, mais solitário."
Estou sentado numa cadeira de rodas,
A segurar um estojo de uma câmera fotográfica,
E sorrio para mim, ao lado da cabeceira da minha cama.
Todos os dias, ele está sorrindo para mim.
Ele deve me achar engraçado,
Como ele queria que eu fosse.
Talvez ele ria de mim de felicidade,
Por quem ele conseguiu que me tornasse.
Vivo num planeta que uma banda cantou,
E às vezes parece que só eu e o vento sabemos disso,
E me pergunto na solidão por debaixo das cobertas do escuro
Quando o vento partir de mim,
Ele ainda vai estar sorrindo
Ao lado da cabeceira de minha cama?


Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Víctor Lemes, idealizador e administrador do blog, geminiano nascido em 1989, em São Bernardo do Campo. Formado em Letras (UniAnchieta/Jundiaí - 2009), e pós-graduado em Especialização em Língua Inglesa (UniAnchieta/Jundiaí - 2011), trabalha como coordenador pedagógico e professor de inglês na escola de idiomas CNA, localizado em Louveira, cidade em que mora desde 2002.

0 comentários:

Postar um comentário